Dicas de fotografia de viagem – Tutorial para tirar fotos incríveis

22/05/2016

Dicas de fotografia para escolher a melhor lente para a sua viagem.

1o Como usar a lente grande angular

As lentes com distância focal abaixo da 35mm (considerado o angulo próximo da visão humana) apresentam um efeito angular maior. Essa seria a primeira das dicas de fotografia.

Saiba desse efeito pra controlar seu enquadramento e resultado final.

Exemplo, fotografar interiores com uma lente angular vai distorcer paredes.

Usuários de Gopro sofrem com esse efeito. Para isso, lembre-se de tirar do modo “wide” antes de começar a gravar interiores. Entretanto para ambientes externos e paisagem o mesmo efeito é muito legal.

Exemplo abaixo: GoPro – Modo Grande Angular wide.

Abaixo exemplo de Grande Angular lente Nikon 14-24 2.8g mm (no 14mm) – Nikon D800E

2o Tire proveito do efeito grande angular, trazendo elementos próximos para a foto.

Causando, assim um efeito mais dramático. Veja a diferença da mesma paisagem sendo fotografada com uma lente para retrato (Nikon 50 MM 1.8G) e uma grande angular (14-24 Nikon 2.8G). Não há certo ou errado mas de fato as nuvens na foto angular tornam o céu mais impactante. Tudo é uma questão de composição e criatividade. Se estivesse tentando fotografar alguém, longe, não haveria impacto algum na lente grande angular.

3o Tome cuidado com o efeito “soft” das lentes zoom e super zoom.

Veja abaixo uma comparação da mesma foto, com o mesmo enquadramento mas com distancias focais diferentes uma em 35mm e outra em 120mm.

Note que nos limites da lente (no meu caso em 120mm) a qualidade da foto é pior. A lente passa a apresentar um efeito embaçado. Isto pois o movimento dos anéis das lentes, para fazer o zoom, trazem uma imprecisão ao final do curso.

Geralmente você não vai notar a diferença no LCD de pré-visualização da sua maquina mas quando chegar em casa vai se decepcionar com o resultado.

4o Dica para acertar a luminosidade das lentes super zoom.

Fuja lentes das com aberturas de diafragma mais limitadas. (>=f.4.0) geralmente limitam a luminosidade. Elas te induzem a usar velocidades mais lentas e que aumentam as chances de desfoque periférico.

Usar velocidades mais lentas para adicionar um pouco de movimento é aceitável. Alias é uma escolha muito sabia para uma boa composição.

Mas é inaceitável que adicione desfoque à objetos que deveriam estar estáticos, como a cerca atrás do cavalo (ponto 1) ou desfocar áreas que compreendem a correta interpretação da foto, ou melhor, do elemento principal. Nesse caso o elemento em destaque é o cavaleiro (ponto 2). E ele está levemente desfocado.

Adicionar movimento ao que está em movimento, como as patas do cavalo (ponto3), tiram o efeito congelado e adicionam uma historia a foto.

Veja agora a mesma foto trabalhada no Photoshop. Tentei adicionar contraste e definição nas áreas desfocadas. E ainda usei o filtro de nitidez “tornar nítido” para ajudar em algumas áreas. Mantive o movimento das patas inalterado. Claro!

5o Controle a profundidade de campo. Pratique sua criatividade.

Considero que o controle da profundidade de campo, ou desfoque de fundo, o fator principal da criatividade na fotografia.

Para deixar tudo em foco e aumentar a profundidade de campo use aberturas menores f8.0 ou acima. Como a foto abaixo tirada com f.12

Abaixo exemplo para desfocar bem o fundo, em retratos ou objetos, use aberturas maiores (f.1.8 f2.8 até f3.5)

Abaixo exemplo paisagem com profundidade de campo “media” f.6.5 note que o foco é presente até o os primeiros morros laterais, ou até a metade do lago.

Abaixo exemplo poucos segundos depois Zoom e desfoque maior. Obturador mais aberto f.3.5

Agora um exemplo profundidade de campo media com algum desfoque lateral. F.5

Veja mais dicas de equipamentos fotográficos para viagens e como tirar melhores fotos durante passeios neste post 

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=OD4ZSG20L2I ]

Comentários no Facebook

Deixe um comentário